sexta-feira, 8 de março de 2013

Delegados e Delegadas do 11º Congresso da CONTAG aprovam paridade


FOTO: Verônica Tozzi


Os delegadas e delegados presentes no 11º Congresso Nacional de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (11º CNTTR), que acontece até amanhã (8) em Brasília, acabaram de aprovar a paridade de gênero na composição da direção da CONTAG. Ela passa a valer a partir da gestão 2017-2021 para a Direção Efetiva, a Diretoria Executiva, o Conselho Fiscal e as respectivas suplências, consideradas separadamente. “É um ato de revolução na CONTAG nos 50 anos dessa instituição. No campo, tudo é mais complicado. O patriarcado se reverte em um conservadorismo muito grande”, analisou a secretária de Mulheres Trabalhadoras Rurais da CONTAG, Carmen Foro. Ela disse ainda que a próxima luta é para implementar essa decisão. “Ainda temos muitos caminhos para construir, como aprovar a paridade nos Sindicatos e nas Federações”, explicou.

O item aprovado chama a atenção para o fato de que, no mandato que se inicia neste ano, a paridade de gênero deve ser adotada nas instâncias de deliberação da CONTAG (Conselho Deliberativo, Plenária Nacional e Congresso Nacional). Outro item importante é que, até a realização do 12º CNTTR, o MSTTR deverá assumir o compromisso de aprofundar internamente o debate sobre a adoção da paridade em todas as instituições e instância do MSTTR (Sindicatos, Federações e CONTAG). Até lá, todas as entidades do Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais serão obrigadas a cumprir a cota de, no mínimo, 30% de mulheres trabalhadoras rurais em suas direções, conselhos fiscais e instâncias deliberativas, e de 50% nos eventos de formação.

Mulheres de todas as regiões vibraram com a decisão. Dilce Leão, da Região Sul do País, avaliou como muito importante a forma como a paridade foi construída e aprovada. “Primeiramente, ela será realizada pela instância maior (CONTAG) e depois será aprofundada por todo o Movimento Sindical. Dessa forma, a paridade poderá ser bem aprofundada e, finalmente, a gente poderá ter a igualdade tão sonhada entre homens e mulheres”, comemorou.

“Temos que implementar a paridade de gênero em todos os lugares: nos Sindicatos, Federações e também fora do MSTTR, incluindo associações e partidos, por exemplo. Temos lutado muito por isso. É nosso direito”, declarou Maria José Paiva, da Região Norte.



FONTE: Imprensa CONTAG - Ana Célia Floriano

STR Goianinha faz sua previsão orçamentária

STR de Goianinha comemora com seus associados e associadas as festas de final de ano. Ao mesmo tempo fez sua previsão orçamentária para o ex...